12 novembro, 2005

O sonho dos simétricos

A razão, sempre superficial, reflectiu durante algum tempo sem resultado e ordenou que a arte fosse cortada em duas: metade para cada extrínsecos. Uma memória, velha mas de perfeita saúde, tendo ouvido a sentença, lembrou-se de perguntar: “E se a razão, por sua vez, sonhou que partilhava a arte?” Então, como se tratava da memória, discutiram acaloradamente uma vez mais. Mas sem resultado. Ninguém pode verdadeiramente distinguir entre sonho e realidade. Os velhos sábios talvez tivessem sido capazes: mas já não existem.

Marquês de Rubbatto – “O sonho dos simétricos”

1 comentário:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...